quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

DICAS DE VIAGEM: MUSEU DO LOUVRE- PARIS , FRANÇA


Museu do Louvre
Endereço: Rue de Rivoli, 99 - Traçar rota
Telefone: (1) 4020-5317

Horário de funcionamento

Abre diariamente, com horários variados. Segundas, quintas e fins de semana, das 9h às 17h30; quartas e sextas, das 9h às 21h15

Formas de pagamento

€10 (mostra permanente),€11 (mostras no Hall Napoléon),€14 (entrada combinada para os museus do Louvre e Eugéne Delacroix). Grátis para menores de 18 anos,residentes na União Europeia entre 18 e 25 anos e em todos os primeiros domingos de cada mês e no dia 14 de Julho. Menores de 26 anos têm acesso livre nas noites de sexta-feira,das 18h às 21h45.

As intervenções do arquiteto I.M. Pei trouxeram inovadoras soluções de iluminação e circulação para o Louvre, além de oferecer uma entrada principal com sua polêmica pirâmide. (Shutter Pea)

Frequentemente vencedor em rankings dos museus mais visitados do mundo – a média das últimas listas é superior a 8 milhões de pessoas anuais –, esse palácio do século 12 foi convertido na meca da arte em 1793, quatro anos após a Revolução Francesa. Entre as mais de 35 mil obras em exibição no Museu do Louvre estão nada menos que a Vênus de Milo, escultura de autor desconhecido, e a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci – esteja preparado para enfrentar multidões, especialmente em torno desse quadro, que surpreende muitos pelo diminuto tamanho. Obviamente, tamanho não é documento, pena que não é possível observar esta preciosa obra-prima com toda calma, silêncio e veneração que lhe seria necessário.


São mais de 60 mil metros quadrados de área nesse gigantesco acervo de arte de inúmeras épocas e culturas do mundo, por isso vale reforçar a premissa de que o ideal é reservar mais de um dia para a visita.
A visita ao Museu do Louvre já começa de forma teatral, com a pirâmide de vidro do arquiteto sino-americano Ieoh Ming Pei dando as boas-vindas aos turistas e apreciadores de arte. A solução encontrada por Pei não só ofereceu um novo cartão-postal à Paris, mas também uma tão aguardada entrada (decente) para o edifício. Além disso, inundou de luz todo o Hall Napoleon e deu ainda mais crédito ao amalucado livro de Dan Brown, O Código da Vinci.

UM POUCO DE HISTÓRIA
As origens do Louvre remontam ao ano de 1190, quando aqui foi construída uma massiva fortaleza junto às margens do rio Sena. O castelo do rei Felipe Augusto possuia um ar obviamente bélico, com muralhas e torres. No século 14, o rei Carlos V imprimiu um ar menos espartano ao complexo, agora transformado em residência real. Os ares palacianos surgiriam pela vontade dos soberanos renascentistas Francisco I (que demoliu o antigo castelo e trouxe Leonardo da Vinci para a França — com a Mona Lisa a tiracolo) e Henrique IV (que aqui abrigou artistas que montaram atêlies em seus recintos).
Com a mudança da corte para Versalhes, o Louvre ficou em estado lastimável, sendo transformado em museu em 1793, durante a Revolução Francesa. Com a expansão colonialista francesa durante o século 19, uma série de antiguidades do Oriente Médio e Egito foram “importadas” pelos franceses. Jean François Champollion, o homem que decifrou a Pedra de Rosetta, foi o primeiro curador do departamento egípcio.
A última grande intervenção no edifício foi comandada pelo presidente François Mitterand em 1989, que encomendou o polêmico — como tudo em Paris — projeto de I.M. Pei.

DEPARTAMENTOS
O Museu do Louvre cobre um longo e precioso trecho da produção artistica do homem. A curadoria dividiu o acervo em sete coleções, dispostas em três seções principais: Sully (o Cour Carrée), Richelieu (que abrange a ala paralela à Rue de Rivoli) e Denon (a ala ao longo do rio Sena). Todas elas possuem acesso através da pirâmide.
Os departamentos seguem um labiríntico roteiro pelo museu: Antiguidades (dividido em coleções egípcia, grega, romana e etrusca), Pinturas (principalmente francesas e europeias), Antiguidades Orientais (objetos do Oriente Médio, Mesopotãmia, Índia e norte da África), Esculturas, Arte Decorativa, Gravuras e Desenhos (que conta com manuscritos com iluminuras e esboços e estudos de mestres como Leonardo e Rembrandt) e Arte Tribal (hoje no novíssimo Museu Quai-Branly).

DESTAQUES
– A Mona Lisa (La Gioconda), pintura de Leonardo da Vinci, do século 16
– Le Radeau de la Méduse, pintura de Théodore Géricault, do século 19
– A Vitória de Samotrácia, escultura grega de cerca de 190 a.C.
– A coleção egípcia, em grande parte angariada por Napoleão Bonaparte, no século 19
– Vênus de Milo, escultura grega de cerca de 100 a.C.
– A Liberdade Guiando o Povo, pintura francesa de Eugène Delacroix, do século 19
– A Coroação de Napoleão, pintura francesa de Jacques-Louis Davi, do século 19

DICAS
Evite filas chegando bem cedo. Isso lhe economizará tempo (e muita paciência) tanto na hora de entrar como na visita em si, com menos aglomerações sobre as peças mais famosas, como a Vênus de Milo e a Mona Lisa. Conheça todos os destaques das amostras primeiro e depois, com mais calma, passe pelas obras menos disputadas. Se já é um veterano, faça uma programação antecipada para evitar o sobe e desce. Outra forma de agilizar a entrada é comprar o ingresso pelo site.

O Louvre possui três entradas: a da pirâmide é de longe a mais congestionada, portanto evite-a. A única exceção é se você possui um Paris Museum Pass, que tem um acesso exclusivo. As entradas da Porte des Lions e da Galerie du Carrousel são mais tranquilas e, por vezes, podem estar surpreendentemente vazias nos meses de inverno e no começo da primavera.
Na alta temporada, de junho a agosto, entre 10h e 15h, as filas podem durar enervantes 2 horas sob o sol de verão.
O Museu não dispõe de estacionamento.

        5 pontos para prestar atenção na sua visita ao Louvre, em Paris



1. Uma janela perfeita

“Na sala 29, estão os quadros do ‘rei da luz de velas’, Georges La Tour. E, caminhando em direção à sala 18, uma janela serve de mirante natural, de onde se vê parte da fachada do museu, a pirâmide, o Arco do Carrossel e a Torre Eiffel. Incrível.”
Eros e Psique

2. Love com eros e psiquê

“Em vez de botar cadeado numa ponte, prefiro fazer meus votos de amor eterno diante da estátua de Eros e Psiquê, de Canova. O melhor horário para fotos é no meio da tarde, quando as asas de Eros são iluminadas pela luz natural.”


3. Romantismo com emoção

“É difícil segurar a emoção diante de duas enormes pinturas do romantismo francês: uma delas conta a história de um naufrágio (A Barca da Medusa, de Géricault); a outra, representa o espírito libertário da Revolução Francesa (A Liberdade Guiando o Povo, de Eugène Delacroix).”

4. Vitória de Samotrácia como no filme

“No térreo, uma passada pelos Escravos de Michelangelo, antes de ir para a escadaria que liga a ala Denon com uma das mulheres gregas mais lindas que eu já vi. A forma mais legal de encontrar com a Vitória de Samotrácia é subir rapidamente segurando o fôlego, tal qual fizeram Audrey Hepburn e Fred Astaire no filme Cinderela em Paris.”
                                                    Da Vinci 
Monalisa


 A Bela Ferronière.

5. Tour único por Da Vinci

“Nenhum museu tem tantos Da Vinci quanto aqui – seis. A Monalisa é um marco, mas há também o retrato de uma mulher com cara de enfezada, A Bela Ferronière.”
FONTE: http://viagemeturismo.abril.com.br/materias/5-pontos-para-prestar-atencao-na-sua-visita-ao-louvre-em-paris/
FOTOS:






          








Nenhum comentário:

Postar um comentário

DICAS DE PASSEIO NO RIO: TOUR DE IGREJAS BARROCAS

Tour de Igrejas Barrocas Centro do Rio 09/12/2017: Igreja da Venerável Ordem 3a. de São Francisco da Penitência, Mosteiro de Santo ...